"Cavalgando por terras pantaneiras, sinto o cheiro das manhãs úmidas de orvalho, totalmente  imersa nos ruídos das maritacas ao amanhecer e, ao mesmo tempo inebriada pelo voo pleno das araras

azuis e vermelhas que aterrissam ali, bem perto dos meus olhos e das minhas lentes.

Juntos com os cavaleiros pantaneiros, homens da terra, o sol brilha com intensidade e o azul do céu me acolhe para mais um dia no Pantanal Matogrossense.

Animais e pássaros de todas as espécies entoam suas cantigas e sons matinais. É hora de acordar nesse santuário ecológico, com todos os sinais da presença de Deus, captados por mim como uma mensagem divina.

Como por um milagre, estou de frente com o símbolo do Pantanal, o Tuiuiu, majestoso, altivo, soberbo este pássaro LINDO dança e se exibe em frente da minha câmera, como num balé de pássaros em harmonia com seu habitat, um momento de grande emoção e alegria.

Descer a correnteza do Rio Miranda  para um encontro marcado com a onça pintada e seus filhotes, o guia desliga o motor do barco, o meu coração bate forte, será que ela vem ao meu encontro? Se não for hoje será amanhã ...

O entardecer é mágico, araras, maritacas, anacãs, capivaras, vacas, pássaros de todas as espécies, voltam para seus cantos e o sol se despede lentamente deixando suas cores avermelhadas que se misturam com o verde das matas. Não se vá! Não se vá!

A noite toma conta do Pantanal, é possível ouvir sons diferentes, daqueles do dia, corujas saem dos seu ninhos e se exibem no meio das árvores com um canto melancólico, jamais ouvido por mim.

Na calada noite, sinto arrepios por sons desconhecidos que atravessam a escuridão, e a promessa de que um novo dia está a caminho e o espetáculo continua".

Selma Arenales.